OS ALMANAQUES PERDIDOS DA EBAL

24.02.2019

>> Em minha época de garimpeiro de gibis, uma das maiores dificuldades como colecionador novato era descobrir quantos Bat-Gibis a EBAL ao todo tinha publicado, devido a forma como eles eram organizados com sucessivas séries que teoricamente seriam numeradas de 1 a 100, mas que na prática foram abreviadas sempre que os editores assim decidiam, além do fato de não existirem guias impressos contabilizando as edições e muito menos a web, que nos Anos 80 era uma realidade inimaginável.

 

Minha maior dificuldade se deu em relação aos Almanaques Anuais, que por muito tempo me fizeram procurar em vão por edições, que só vim a descobrir anos depois, que nunca tinham sido lançadas realmente. Esse foi o caso dos anos

Essas publicações eram a cereja do bolo da EBAL  e me fizeram sonhar, por mais de uma vez, estar passando casualmente por uma desconhecida banquinha e encontrar por acaso essas tais preciosidades faltantes, completando assim minha Bat-Coleção. Ou pelo menos parte dela, já que o Homem-Morcego que eu queria era o sombrio, que aqui no Brasil passou a dar as caras a partir do Almanaque de 1971, de Batman em Cores #3, Batman BI #32Batman 3ª Série #14.

Eis os meus objetos de idolatria, esse de 1972 meu ano preferido, foi 1º a ter uma história em cores*.

 

O gigantesco (tão grande que nem encontrei plástico pra ele) Almanaque de 1975 (originalmente uma Treasury Edition) marcou o fim da regularidade da linha, pois no ano seguinte, nem Super-Homem nem Batman tiveram Almanaques, ambos acabaram dividindo com Shazam as páginas de O Herói.

 

E é a partir de 1976 também, que inicia-se o ciclo final da DC pela EBAL com a editora adotando o formatinho, mais econômico diante do alto valor que o papel atingiu na segunda metade dos Anos 70, como padrão em toda a sua linha mensal, destinando os formatos magazine e treasury apenas para ocasiões especialíssimas, como o encontro Super-Homem e Muhammad Ali de 1979.

 

Em 1977 tivemos o "Almanaquinho" de Batman; O diminutivo pelo jeito não colou, pois em 1979 "Almanaque" voltaria a estampar a derradeira e última capa de uma edição anual do morcego. Em 1978, Superman "COM" Batman foi o anual dos Melhores do Mundo. Em 1980 Superman ganharia seu último anual, mas os fãs do morcego tiveram que se contentar com uma Edição Extra mixuruca chamada "Histórias de Crimes". Em compensação 1981 tivemos A Legenda de Batman e em 1982 Batman Vs. Hulk, duas edições que de tão especiais, podem muito bem figurar no prestigioso Hall dos Almanaques.

 

Bom, todo esse blá-blá teve a finalidade de contextualizar meu novo projeto aqui na Batdeira, imaginar como os editores da EBAL poderiam ter montado os Almanaques de 76, 78 e 80 com histórias inéditas que foram ignoradas ou puladas por eles mesmo, vamos a eles:

 

A escolha obrigatória seria publicar na íntegra Batman #255, um especial de 100 páginas da DC com a aterradora e inédita "Lua do Lobo" (Wein, Adams & Giordano) que inclusive serviu de base para um dos meus primeiros projetos aqui na Batdeira.

Claro que a ilustração de Neal Adams teria máximo destaque, ao contrário do sacrilégio reduzido pela editora original, que decidiu colocar pequenos quadrinhos desenhados por Nick Cardy mencionando as outras histórias da edição.

 

Dentre elas destaco a inédita "O Primeiro Batman" (Finger, Moldoff & Kaye) que somente foi publicada no Brasil pela Panini em Batman 70 Anos #2 de 2009 e "A verdadeira face falsa do Batman" (Fox, Infantino & Greene) - de Batman 2ª Série #81 de 1968.

 

Um detalhe, as cores seriam vistas somente na capa, pois o miolo teria que ser todo em P&B como aconteceu nesse mesmo ano com Almanaque de O HERÓI.

 

Nesse ano uma edição inteiramente inédita poderia ser a escolhida, falo de DC Special Series #15​de Junho do mesmo ano; Essa série, sem personagens fixos, durou apenas 27 números, mas muita coisa boa que foi impressa em suas páginas acabou chegando no Brasil pela própria EBAL.

 

Foi o caso de DCSS #8 - O Bravo & O Audaz que virou o Almanaque de Batman - 1979, DCSS #16 - Jonah Hex que virou o Almanaque Reis do Faroeste - 1980, DCSS #21 - Edição Natal Super-Star (com a história "Procura-se Papai Noel... vivo ou morto!" (O' Neil & Miller) e DCSS #27 - Batman vs. Hulk.

A ilustração de capa de DCSS #15 só veio a ser conhecida no Brasil, pela maioria dos leitores, em 2016 com as Lendas do Batman por Marshal Rogers #2 da Panini. Já a história a qual ela faz referência "Enforquem o Batman" (Vern Reed & Netzer) saiu em As Várias Faces de Batman pela Abril em 1989, junto com "Morte à meia-noite e três" (O' Neil & Rogers). E a terceira e última aventura da edição, "Eu os declaro Batman e mulher!" (O' Neil, Golden & Giordano) acabou ficando para a Panini publicar em 2005 em Grandes Clássicos DC #04 - Contos do Demônio.

 

Quanto ao layout em si, a EBAL sempre procurou fazer o menor número de mudanças nos fotolitos originais visando sempre a máxima economia, é por isso que ela nunca cobria o box de código de barras retocando as ilustrações que estariam em baixo. Simplesmente usava o espaço para colocar informações diversas como nesse caso. Por exemplo essa ideia de colocar o ano foi feito de verdade, no já citado Almanaque de Superman "COM" Batman.

 

Ela também não tinha um padrão para a palavra "Almanaque", que sempre variava de tamanho e tipologia de acordo com o espaço onde pudesse ser aplicada. Já substituir a longa e tétrica mensagem iluminada pela Bat-Lanterna por outra mais objetiva e impactante, foi minha mesma. 

 

E para terminar com uma edição de tirar o fôlego, montei esse almanaque com 4 aventuras eletrizantes, também puladas pela EBAL sabe-se lá por qual motivo, mas por baixa qualidade tenho certeza que não foi:

Começando por aquela que dá capa ao grampeado: "O Vale do morcego branco" (O´Neil, Golden & Craig Russell) Batman Family #19 (1978) publicada pela Abril em Batman #02 - 1ª Série em 1984;

 

Seguida de "The Dead on Arrival Conspiracy" (Pasko, Netzer & Rubinstein) que apresenta um inesperado confronto com o vilão líder de uma seita terrorista o "KOBRA" co-criado por Jack Kirby de DCSS #1 - Five Star Super-Hero Spectacular cuja capa de Adams foi aproveitada pela Abril no Superamigos #11 (2007).

 

"Enter the Ragman" (Reed, Golden & Smith). Esse vigilante mendigo o "RETALHO" teve sua curta série publicada na íntegra pela EBAL em duas edições extras, mas esse encontro oriundo de Batman Family #20 (1978) com o morcego não, vai entender!

 

E "Private Eye Man-Bat" (Rozakis, Golden & Rubinstein) também de Batman Family #20 (1978). Com o Morcegomen bancando o detetive particular. Coloquei ela pois é do Golden que também desenhou uma outra dessa fase com Dr. Langstrom encontrando o Etrigan, publicada pela EBAL em Batman em Formatinho #31.

 

Quanto a essa ilustração de Mike Kaluta & Tatjana Wood digo com perdão do trocadilho que é "matadora"! Faz sentir calafrios! O excesso da ausência de cor proporciona uma capa atípica do morcego, mais acostumado as sombras. Só que nesse caso o perigo não se esconde ele é bem visível. "Morcego Branco, Morte Branca" não é o título da história, mas sim uma chamada de efeito dramático. Que no caso poderia muito bem ser aproveitada dentro do box do código de barras.

 

Esse selinho "Ano Internacional da Criança" mesmo fazendo referência à 1979, foi utilizado em Superman 1980, então naturalmente seria replicado em Batman 1980. Quanto ao logotipo resgatei por sem bem light e justamente por essa caraterística, mesmo em vermelho chamaria muito atenção nas bancas de jornais sem diminuir no entanto o impacto da ilustração.

Feito isso tudo posso enfim apreciar minha coleção completinha! Mesmo que de forma virtual é bom lembrar pois nenhuma dessas capas foi impressa realmente nem as edições como fac-símile tão pouco.

 

E mais uma coisa, se vocês perguntarem porque Robin e Batmoça aparecem na capa do Almanaque de 1980 mas não tiveram histórias no miolo, eu explico: Batman Family foi uma série de curta duração, ao todo teve 20 edições. Ela apresentava histórias do Batman obviamente, deles dois, assim como do Morcegomen e da Caçadora (Helena Wayne da Terra 2).

 

Acontece que a EBAL não se preocupava em apagar os personagens das capas, caso os mesmos não tivessem suas histórias incluídas no miolo das edições. Ela agiu dessa forma em três ocasiões: Batman em Formatinho #40 onde a Caçadora e Morcegomen estão presentes mas não dão as caras no miolo, na Edição Extra - Histórias de Crimes o mesmo acontece com o MorcegomenBatman em Formatinho #62 onde aparece um monte de gente (tem até o Bat-Mirim) sem nenhum deles estar presente dentro do gibi.

 

Outro motivo que me faz apreciar bastante, até hoje, os almanaques, foi o fato de que as capas produzidas pela editoria de arte entre 1965 e 1973 compartilhavam sempre um mesmo layout a cada ano, independentemente dos personagens pertencerem a editoras diferentes lá fora.

 

É aquilo que já mencionei aqui várias vezes, "Gibi da EBAL tem o nome da EBAL e pronto."

 

Destaco abaixo então, as edições de 1972, pois de todos os anos elas possuem o design que mais curto; Notem que mesmo com um excessivo volume de informações, em alguns casos, o resultado é muito bem equilibrado e eclético. Justamente por terem se valido de diversas formas de arte gráfica, como o letreiramento, colagem de fotos e quadrinhos das histórias do miolo e ilustrações pintadas e o melhor de tudo, os soberbos desenhos de Monteiro Filho.

 

Uma curiosidade final a respeito dessas edições é que pela primeira vez uma aventura totalmente em cores foi impressa em off-set e grampeada no centro, como um encarte. E as mesmas (para quem fosse louco pra isso), poderiam ser destacadas da revistas.

Confesso que durante alguns anos pensei até em colecionar todos, somente pelas capas, mas já naquela época alguns eram raríssimos e também super-faturados; Acabei ficando só na vontade.

 (Fonte: comicvine.com / guiaebal.com / guiadosquadrinhos.com )

 

>>Todos os personagens, logotipos e elementos são marcas registradas e seus direitos pertencem as suas respectivas empresas e criadores. Todos os direitos reservados. Este site não é autorizado pelos mesmos. Este é um site de fã dedicado a alegria de colecionar os personagens citados e nenhuma infração de direito autoral é intencional. >> All characters and all things related to characters, logotypes and elements are trademarks of and © belong to their respective companies and creators. All rights reserved. This site is not authorized by any companie or creator. This is a fan site dedicated to joy of collecting no copyright infringement is intended.

Please reload

A BATDEIRA NÃO PRODUZ, RÉPLICAS, CÓPIAS ARTESANAIS, FAC-SÍMILES

NEM QUALQUER OUTRO IMPRESSO SEM  AUTORIZAÇÃO DOS DEVIDOS PROPRIETÁRIOS.

NEM FAZ COMÉRCIO COM OS MESMOS EM SITES DE LEILÃO.

 >>Todos os personagens, logotipos e elementos são marcas registradas e seus direitos pertencem as suas respectivas empresas e criadores. Todos os direitos reservados. Este site não é autorizado pelos mesmos. Este é um site de fã dedicado a alegria de colecionar os personagens citados e nenhuma infração de direito autoral é intencional. >> All characters and all things related to characters, logotypes and elements are trademarks of and © belong to their respective companies and creators. All rights reserved. This site is not authorized by any companie or creator. This is a fan site dedicated to joy of collecting no copyright infringement is intended.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now